SOBRE O ACERVO

O acervo de Lina Bo e Pietro Maria Bardi transcende o aspecto pessoal. Apresenta o testemunho de décadas de dedicação à cultura – às artes plásticas, arquitetura e design. Revela em cada detalhe, além do interesse genuíno pela cultura Brasileira, a memória de uma fase importante da história do século XX. O Acervo Documental – separado em Fundo Lina Bo Bardi e Fundo P. M. Bardi – é formado por desenhos, documentos, textos, fotografias, filmes, anotações pessoais, cadernos, maquetes, notícias de jornal, obras de arte e objetos de arte popular brasileira.

 

FUNDO LINA BO BARDI

O Fundo Lina Bo Bardi inclui desenhos de projetos arquitetônicos, desenhos de cenografia, expografia, mobiliário, trajes e jóias, além de ilustrações realizadas na infância e adolescência, um arquivo documental de 11.500 documentos relacionados à sua atividade profissional e um acervo de 15.000 fotografias de projetos realizados ao longo da vida de Lina. É possível consultar neste site todos os desenhos da arquiteta Lina Bo Bardi. Para consultar documentos e fotografias é necessário agendar uma visita ao Instituto.

 

FUNDO P. M. BARDI

O Fundo P. M. Bardi contém correspondência com figuras e fotografias nacionais e internacionais relacionadas com artistas e exposições, manuscritos, documentos de pesquisa e livros raros. O arquivo de P.M. Bardi encontra-se fragmentado entre o Instituto Bardi, o MASP e o Archivio Storico Cívico e Biblioteca Trivulziana no Castello Sforzesco, em Milão. Para consultar o Fundo P.M. Bardi é necessário agendar uma visita ao Instituto.

 

BIBLIOTECA

O acervo também conta com uma pequena biblioteca composta de livros do casal Bardi sobre arte, arquitetura, design e publicações contemporâneas sobre a vida e obra de ambos. A biblioteca também reúne livros sobre Política, Filosofia, História, Literatura, Antropologia e Sociologia, entre outros. 

É possível consultar o acervo com visita agendada em infobardi@institutobardi.org. A consulta do acervo é limitada para pesquisadores de doutorado, pesquisadores especializados e curadores de museus. 

Para estudantes de graduação e pós-graduação assim como pesquisadores júnior, recomendamos revisar a extensa bibliografia que existe sobre a vida e obra do casal. 

1

2

3

4

5

HISTÓRIA DO ACERVO

O primeiro esforço de organização foi feito em 1989 pelos colaboradores de Lina Bo Bardi, Marcelo Ferraz, e Marcelo Suzuki com o consentimento e apoio de Lina. Esta organização foi realizada na preparação para a primeira exposição da obra da arquiteta realizada durante uma semana na FAU-USP. Pouco depois, Lina Bo Bardi faleceu em 1992, Marcelo Ferraz, André Vainer e Marcelo Suzuki junto com Isa Grinspum Ferraz iniciaram uma organização mais sistemática com o propósito de publicar um livro seguindo as instruções de Lina para buscar tal publicação somente após sua morte. O livro passou a ser guia para uma organização do arquivo [1].

A primeira sistematização com enfoque museológico ocorreu em 2007, com a coordenação de Anna Carboncini, ex-assistente de Pietro Maria Bardi e atual conselheira do Instituto Bardi.

Em 2009, com o apoio da Caixa Econômica Federal (CEF), o Instituto catalogou diversos desenhos, sistematizando o arquivo, acomodando a peculiar diversidade da obra de Lina dentro dos padrões arquivísticos internacionais. Em 2011, com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), o Instituto realizou algumas adaptações a sua infraestrutura com mobiliário adequado para todo o acervo.

[1] FERRAZ, Marcelo. Entrevista com Maíra Teixeira, in “As Casas de Lina Bo Bardi e os Sentidos de Habitat”, dissertação de doutorado, Universidade de Brasília, Brasília, 2014. Pág. 241